quero sempre à marte 

Sempre julguei as pessoas que aparentavam ser frias. Hoje entendo porque dizem que menos é mais. Sobre não sentir: dormente. A dor mente e o coração precisa dessa mentira pra permanecer inteiro. Sinto muito por quem sente muito. Eu realmente sinto muito. A entrega não precisa ser tão intensa, os beijos não precisam ser como se fossem os últimos e os abraços não precisam ser de despedida. 

Quero te encontrar ao acordar, abrir meus olhos e enxergar no fundo dos seus olhos castanhos, o mar mais belo que eu imaginar. Mas eu não posso. Não posso porque esse mar não me pertence mais, esse oceano em que me afoguei não é mais meu e aqueles sonhos que eram nossos, nunca foram seus. Eram sempre meus. E agora não são mais de ninguém. 




Sempre achei que sentir muito era um dom. Hoje tenho minhas dúvidas... Achava que as entregas tinham que ser inteiras; ninguém quer receber o que espera do correio pela metade. E nesse caso, esperei da minha metade, a outra metade do que me faz; perdida em algum canto seu. Porque acreditei-me existir em você, assim como te fiz existir em mim. 

Quero te ligar e poder dizer que não sinto mais nada, sendo que eu sinto tudo. Não queria que soubesse que me importo. Mas ao mesmo tempo acho que você deve saber. Porque ainda existe em mim algo que me faz acreditar em nós. Estou agora perdido em meio a questões paradoxais, lutando contra sentir ou não sentir, sendo que tudo que eu queria agora era seguir —com você. 

Sempre achei necessário ter uma definição para evitar problematizações futuras... Possíveis frustrações que pareciam mais certas do que incertas. Mas arrisquei me perder para me encontrar. E não. Eu não me encontrei, pelo menos não por inteiro. Entretanto me fiz muito mais maduro do que antes, muito menos entregue e muito mais preparado (ou armado) para o que vem a seguir. Eu não estou com medo. Mas acontece que eu sempre tive medo, ademais, não se preocupe, vai ficar tudo bem. As vezes precisamos de um redirecionamento mesmo... Pra evoluir. Só fico triste em saber que não vou poder transcender contigo. Mas tenho certeza que você vai crescer também.



Quero o que eu sempre quis: mergulhar e imergir. Se der certo ótimo, eu sempre acreditei. Se der errado... Bom, nunca dá errado, vira texto ou vira a folha. Mas nesse caso, coloquei um marca página, porque aqui, bem aqui, existe uma história que preciso reler e se conseguir, continuar escrevendo —só não sei em que momento, ou onde, mas ainda assim, acredito em felizes pra sempre.